Soja Plus na Mídia

Soja Plus será lançado em Minas

Soja Plus será lançado em Minas

13/06/2014


Diante de dificuldades de gestão na produção de soja que, em muitos casos, inviabilizam o crescimento da atividade em Minas, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) irá lançar no segundo semestre o programa Soja Plus nos nove principais municípios produtores da oleaginosa no Estado.

O objetivo inicial é levar aos sojicultores informações para que as propriedades se adequem corretamente às legislações ambiental e trabalhista. No primeiro ano, serão oferecidos cursos teóricos para cerca de 300 produtores rurais. Em 2015, será implantada mais uma etapa, quando técnicos visitarão 100 fazendas para avaliar a aplicação das teorias nas unidades produtivas. O programa visa à melhora gradativa e contínua da gestão da propriedade rural.

O Soja Plus foi desenvolvido pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e pela Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja-MT), que detectaram a necessidade dos produtores rurais receberem informações atualizadas sobre legislação ambiental, trabalhista, social e de boas práticas agrícolas.

O projeto será implantado no Estado através da parceria firmada entre a Abiove, a Faemg e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MG). Criado em 2011, o programa Soja Plus já está consolidado no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul.

Em Minas, segundo a Faemg, o Soja Plus atenderá aos produtores rurais de Rio Paranaíba, Araxá, Patos de Minas, Patrocínio, São Gotardo (ambos na região do Alto Paranaíba), Paracatu e Unaí (no Noroeste do Estado) e Uberaba e Uberlândia (no Triângulo Mineiro), municípios que concentram 90% da sojicultura do Estado.

A expectativa do superintendente do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes/Faemg), Pierre Santos Vilela, é de que o projeto trará muitos benefícios aos produtores mineiros. "Irá contribuir para que a produção de soja seja mais sustentável. No Estado, o programa será iniciado com orientações que irão reforçar as adequação necessárias às legislações trabalhista e ao modelo proposto pelo novo Código Florestal. O objetivo é levar conhecimento aos produtores e permitir que os mesmos se adaptem à legislação, o que é fundamental para evitar problemas com fiscalizações", disse Vilela.

O cronograma prevê discussões de temas fundamentais para a produção agrícola, como a qualidade de vida na fazenda, sobre o novo Código Florestal, construções rurais, sustentabilidade da soja brasileira, integração lavoura-pecuária-floresta, recomposição de Área de Preservação Permanente (APP) e de matas ciliares, entre outros temas.

Os produtores interessados no programa devem procurar os sindicatos rurais dos municípios. A participação é gratuita.

Obstáculos - Para o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Rio Paranaíba, Roberto Carlos Resende da Silva, as expectativas em relação ao projeto são positivas, uma vez que os produtores de soja da região encontram diversas dificuldades em adequar as unidades às legislações trabalhista e ambiental.

"Na maioria dos casos, os agricultores têm grande interesse em regularizar as propriedades, mas o acesso às informações e às formas de aplicar as leis no campo é difícil, o que deixa as propriedades sujeitas a fiscalizações e multas, que em muitos casos acaba inviabilizando a continuidade da atividade", disse.

Contato:

Fonte: